Fortaleza, Domingo, 26 Junho 2022

Pesquisar

Comunicação

Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia
Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos

Programa Alcance

Alece 2030

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislativo

Projetos / Cursos

Publicações

Login

Os impactos da pandemia na vida das mulheres: violência e feminicídio - QR Code Friendly
Segunda, 14 Março 2022 09:00

Os impactos da pandemia na vida das mulheres: violência e feminicídio

Avalie este item
(1 Voto)
Ao longo da pandemia, que completou dois anos, as mulheres experimentaram um maior isolamento, passaram a conviver mais tempo com seus agressores, viram a renda familiar decair, as tensões domésticas aumentarem e ainda ficaram mais distantes das redes de proteção. Esse cenário foi identificado pela 3ª edição da pesquisa “Visível e invisível - A vitimização de mulheres no Brasil”, realizada pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública junto ao Instituto Datafolha em maio de 2021.

A pesquisa apontou que, nos 12 meses anteriores a sua realização, uma em cada quatro brasileiras acima de 16 anos sofreu algum tipo de violência física, psicológica ou sexual. O número chega a 17 milhões de mulheres.

Identificou que 72,8% dos autores das violências são conhecidos das mulheres, com “alta prevalência de violência doméstica e intrafamiliar”. Ainda nesse ponto, 48,8% das vítimas relataram que a violência mais grave vivenciada foi dentro de casa, o que coloca a própria residência como o espaço de maior risco para as mulheres.

Também do fórum, o relatório “Violência contra mulheres em 2021”, publicado nesta semana, aponta que, entre março de 2020 e dezembro de 2021, ocorreram 2.451 feminicídios e 100.398 casos de estupro e estupro de vulnerável de vítimas do gênero feminino.

Para a deputada Aderlânia Noronha (SD), “como se não bastassem todas as adversidades que nós, mulheres, enfrentamos, muitas de nós ainda somos vítimas de algum tipo de violência. São assustadoras as estatísticas de feminicídio no País, em muitos casos, por motivos banais”.

IDENTIFICAÇÃO DA VIOLÊNCIA

Raquel Bastos, advogada da Procuradoria Especial da Mulher (PEM) da Assembleia Legislativa do Ceará, opina que o isolamento social e maior convivência em casa durante a pandemia deixou ainda mais claro que a violência doméstica não se restringe à violência física.

“Muitas vezes a mulher estava inserida em um relacionamento abusivo, sofrendo violência psicológica, moral, e não se dava conta. Com a proximidade e convivência maior, foi-se percebendo a delineação desse perfil de agressão, que não se restringe apenas à física", explica.

A advogada relembra que a procuradoria buscou abordar esses tipos de violência nas lives realizadas nas redes sociais e palestras virtuais como forma de informar as mulheres e permitir que identificassem se as situações que estavam vivendo se encaixavam na violência doméstica, seja física, psicológica, moral, sexual ou material.

ACESSO À DENÚNCIA

A deputada Augusta Brito (PCdoB), procuradora Especial da Mulher da AL, acrescenta que, durante a pandemia, houve maior dificuldade de fazer os registros nas delegacias por questões como o isolamento social, uma vez que muitas mulheres estavam sob constante vigilância e companhia de seus agressores.

Entendendo a importância de acesso à denúncia e ajuda, a AL criou, por meio da Procuradoria Especial da Mulher, o Zap Delas, um canal que, por meio de mensagens pelo WhatsApp, permite que as mulheres relatem casos de violência ou peçam orientação. O número do Zap Delas é (85) 99814-0754.

“Criamos esse mecanismo para ser mais uma porta de acesso do pedido de ajuda por percebermos as dificuldades durante o período de pandemia para fazer as denúncias”, afirma Augusta Brito.

Na última terça-feira (08/03), Dia Internacional da Mulher, a AL inaugurou ainda a nova sede da Procuradoria Especial da Mulher (PEM) da Casa, que reúne diversos serviços de atendimento para a população.

APOIO E ACOLHIMENTO

Os vários tipos de violência aos quais as mulheres estão vulneráveis afetam suas vidas, autoestima, saúde, relações sociais, afetivas e de trabalho. Diante de impacto tão devastador, ações de apoio e acolhimento pelo poder público e pela sociedade são essenciais para a reconstrução dos próprios caminhos.

A primeira-dama da AL e líder do Comitê de Responsabilidade Social da AL, Cristiane Leitão, destaca ações realizadas pelos núcleos de Saúde Mental e de Prática Sistêmicas e Restaurativas, que trabalham com grupo de mulheres por meio de círculos restaurativos dentro da cultura de paz e a partir de um trabalho sistêmico para o resgate e cura.

Na mesma linha de abordagem, o Centro de Mediação e Gestão de Conflitos da AL iniciou, na última sexta-feira (11/03), o projeto Mediando em Círculos, com foco nas necessidades e sentimentos de pessoas vítimas da violência através da escuta e dos círculos restaurativos.

SÉRIE

A primeira matéria da série da Agência de Notícias da Assembleia Legislativa sobre os impactos da pandemia na vida das mulheres abordou a sobrecarga de trabalho enfrentada nesse período.

A segunda matéria sobre a vida das mulheres durante a pandemia tratou da saúde mental nesse período e a importância do autocuidado. A quarta e ultima matéria da série tratará sobre as contribuições do Parlamento, por meio de projetos de leis e de indicação apresentados por deputados e deputadas para tentar amenizar os impacto da pandemia no dia a dia das mulheres.

SA/CG

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 606 vezes Última modificação em Quarta, 16 Março 2022 13:56

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500