Fortaleza, Terça-feira, 26 Janeiro 2021

Pesquisar

Alcance ENEM

Combate COVID-19

Processo Virtual

Processo Virtual - VDOC

Legislação

Projetos / Cursos

Publicações

Eventos e Destaques

Disque Assembleia

Login

Maioria de adolescentes vítimas de homicídio na Capital é homem e negro - QR Code Friendly
         Comunicação AL TV Assembleia FM Assembleia Banco de Imagens Previsão do Tempo Contatos
Sexta, 15 Julho 2016 13:46

Maioria de adolescentes vítimas de homicídio na Capital é homem e negro

Avalie este item
(0 votos)
Maioria de adolescentes vítimas de homicídio na Capital é homem e negro Foto: Junior Pio
O Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência apresentou, nesta sexta-feira (15/07), na Assembleia Legislativa, relatório preliminar apontando que 97% dos adolescentes assassinados em Fortaleza são homens e 65% são negros. Foram 145 casos analisados.

Além disso, o estudo identificou que 53% dos jovens mortos nunca cumpriram medidas socioeducativas e 74% estavam foram da escola há, pelo menos, seis meses.

Já entre os adolescentes que cometeram homicídios, 53% tem conflitos no bairro ou em outro território, 44% possuem limitação para se locomover nas áreas onde moram e 89% deles declararam já ter sofrido agressão policial. No total, foram ouvidos 122 adolescentes autores de homicídios.

O deputado Renato Roseno (Psol), relator do Comitê, comentou que a morte começa no abandono e na vulnerabilidade desses jovens. “Essa cadeia de abandono é que leva ao envolvimento com o mercado de armas e a morte", afirmou o parlamentar.

Renato Roseno adiantou que a segunda etapa do trabalho desenvolvido pelo Comitê “é desenhar um conjunto de políticas públicas eficazes, bem detalhadas, com metas pontificadas para prevenção dos homicídios". Roseno avaliou que há vários sinais de alerta para identificar os jovens que podem ser vítimas de homicídio.

Como exemplo, o deputado citou que mais de 60% dos adolescentes que morreram tinham deixado a escola pelo menos um ano antes da morte. “Esse sinal de alerta, junto com outros sinais que podem ser constatados pela rede de proteção social, podem gerar o gerenciamento de casos específicos e prevenir a violência”, defendeu.

Segundo o coordenador  do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)  no Ceará, Piauí e Rio Grande do Norte, Rui Aguiar, um dos problemas constatados foi a impunidade. “Os crimes contra adolescentes são pouco investigados”, disse.

Para Rui Aguiar, também há um abandono da adolescência. “Tem um vácuo de política pública na área da adolescência. Os adolescentes abandonam muito cedo a escola, não retornam e entram no mercado de trabalho em condições precárias”, informou.

Há ainda, conforme ele, a cultura da violência caracterizada pelo acesso às armas de fogo, o envolvimento em conflitos entre grupos rivais e homicídios contra pessoas da própria família. “Tem uma cultura de violência que precisa melhor ser examinada”, defendeu. Rui Aguiar adiantou que, encerrada a fase de coleta de dados, iniciará a fase de análise e desenho de recomendações para políticas públicas durante o segundo semestre.

Também participaram da divulgação do balanço o titular da Coordenadoria Especial de Juventude, órgão do Estado do Ceará, Davi Barros; e os pesquisadores Thiago Holanda e Camila Holanda, do Instituto Observatório da Criança e do Adolescente (OCA).

O Comitê Cearense pela Prevenção e Redução de Homicídios na Adolescência é uma iniciativa da Assembleia Legislativa com o objetivo de investigar os motivos dos assassinatos, as histórias de vida e o ambiente onde viviam os adolescentes. A iniciativa tem apoio do Governo do Estado e coordenação técnica do Unicef.

LS/GS

Informações adicionais

  • Fonte: Agência de Notícias da Assembleia Legislativa
  • E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
  • Twitter: @Assembleia_CE
Lido 1940 vezes Última modificação em Sexta, 29 Julho 2016 11:03

Protocolo Digital

PROCON ALECE

Portal do Servidor

Eventos

Enquete

Os "profetas" apontam chuvas acima da média para 2021, enquanto os meteorologistas apostam que as precipitações serão abaixo da média no Ceará. Qual sua opinião?


 

  30ª Legislatura - Assembleia Legislativa do Ceará                                                                         Siga-nos:

  Av. Desembargador Moreira, 2807 - Bairro: Dionísio Torres - CEP: 60.170-900 

  Fone: (85) 3277.2500